Tudo que você precisa saber sobre a contratação de PCD

2022-07-12T11:48:51-03:0011 julho, 2022|Não categorizado|

Investir em inclusão é um dos pilares da diversidade dentro das organizações. Acompanhe nesse artigo tudo que você precisa saber para contratar pessoas com deficiência ou PCD.

Ser socialmente responsável é uma das práticas do ESG, que tem sido bastante discutida no mundo dos negócios. Essa responsabilidade social inclui desde as práticas de colaboração ambiental e ecológica, até as iniciativas de inclusão e diversidade na gestão do capital humano da empresa.

Considerando a diversidade, ela é primordial para o desenvolvimento da equipe, através da troca de experiências. Daí a importância de manter uma equipe diversa e investir na integração de pessoas de diferentes culturas, gênero e idade.

A prática de diversidade dentro das organizações é, certamente, um fator de grande relevância para o desenvolvimento inclusive, de habilidades comportamentais primordiais às relações humanas.

Dessa forma, no artigo de hoje queremos trazer para você informações sobre uma das mais importantes práticas de inclusão e diversidade dentro da organização: a contratação de PCD.

Acompanhe com a gente entenda como se preparar para a contratação de pessoas com deficiência e de que forma isso pode impulsionar o desenvolvimento da sua equipe.

Contratação de PCD: uma retratação histórica

Ao longo dos anos, as pessoas com deficiência encontraram diversas barreiras na atuação profissional. De todas elas, o preconceito sempre foi o mais cruel.

Nesse sentido, a criação de leis que asseguram a contratação de PCD pode considerar sim, uma retratação histórica, a todas as situações de exclusão que esses profissionais sofreram.

Para essas pessoas, a Lei das Cotas 8.213/91 é um marco de oportunidade. Essa lei assegura a contratação e inclusão de PCD no mercado de trabalho. De acordo com essa lei, empresas que possuem mais de 100 funcionários são obrigadas a garantir uma cota de 2% a 5% de suas vagas, para contratação de PCD.

Esses percentuais levarão em consideração o número total de funcionários, excluindo contratações temporárias e estagiários.

Importante considerar que quando falamos de PCD, nos referimos a pessoas portadoras de uma condição limitante permanente. Essa condição pode ser de nascença ou adquirida e a pessoa deve possuir laudo médico ou certificado de reabilitação profissional emitido pelo INSS (Instituto Nacional de Seguro Social).

Além disso, essas condições podem ser físicas, auditiva, visual, mental ou até múltipla, que é a combinação de duas ou mais deficiências.

Quais as vantagens na contratação de PCD

Podemos considerar a contratação de PCD bastante vantajosa para a empresa, no sentido de fortalecimento do employer branding, diversidade da equipe, inclusão e responsabilidade social.

Ter esse profissional na equipe pode agregar muito valor na troca de experiências e no desenvolvimento de habilidades como empatia e trabalho colaborativo. Além disso, a inclusão é forte fator motivacional, já que emite para os colaboradores a preocupação da empresa com pessoas e o respeito às suas diferenças.

No que tange a legislação, é claro que a empresa não precisa aguardar a obrigatoriedade da cota para aderir a contratação de PCD. Mas o fazendo, atende as normas legais e evita com isso a aplicação de multa que pode chegar a R$240.000,00 por grau de descumprimento.

Em relação a esses profissionais, com a dificuldade de inserção no mercado de trabalho, eles tendem a valorizar as oportunidades que surgem e serem altamente engajados e automotivados para o alcance de resultados. Além disso, é possível que eles sejam incluídos nos processos de avaliação de desempenho como os outros colaboradores e se desenvolvam exponencialmente.

E o que é preciso para investir na inclusão e contratar PCD?

É possível afirmar que a maioria das empresas deixam de contratar PCD por falta de conhecimento da legislação e do processo de contratação. Em geral, as empresas encontram dificuldade de acesso a bancos de currículos específicos e seguros, dificuldade de estabelecer vagas exclusivas a pessoas com deficiência e até por resistência da própria liderança, considerando vieses pessoais e em sua maioria, preconceituosos.

Recrutamento e seleção

No entanto, deve evitar essas situações. A seguir, separamos algumas informações que ajudarão sua empresa a garantir a inclusão de PCD em suas contratações.

1 – Adaptação dos processos de R&S

Se uma das dificuldades das empresas é encontrar bancos de currículos especializados em PCD, esse é um problema que pode ser contornado pelo RH. Para isso é preciso que os processos de recrutamento e seleção sejam adaptados e alcancem o público-alvo.

E isso começa na divulgação de vagas. Dessa forma, opte por uma linguagem inclusiva e ofereça outras formas de divulgação além das convencionais, como o braile, por exemplo.

Além disso, se assegure que as exigências estejam alinhadas a realidade desses profissionais. E não se esqueça, na entrevista, ofereça estratégias assertivas, como intérprete de libras, para deficientes auditivos.

Ainda na entrevista, foque no que realmente é relevante. Antes da entrevista se preocupe em estudar a realidade do candidato e entender a forma correta de abordagem, as limitações e os recursos que a empresa pode oferecer para favorecer a execução das atividades.

2 – Acessibilidade

A acessibilidade é ponto primordial na contratação de PCD. Para isso, a empresa deve analisar sua infraestrutura e adaptá-la as necessidades do novo colaborador.

Para garantir seu desempenho profissional, é preciso que ele tenha acesso a segurança e autonomia no desenvolvimento de suas atividades.

3 – Integração e adaptação

Investir em uma cultura organizacional que valorize a diversidade e a inclusão, é primordial para a integração de PCD.

Nesse sentido, a liderança precisa estar preparada para acompanhar esse novo colaborador no início de sua jornada, esclarecendo dúvidas e apoiando as atividades.

Além disso é preciso investir em ações que promovam a igualdade e o respeito as diferenças, de forma que esse profissional seja acolhido pelo restante da equipe.

4 – Atenção as regras trabalhistas

A condição especial de um PCD precisa levar em consideração em sua jornada profissional. Dessa forma, é muito importante que a empresa esteja atenta as regras trabalhistas para esses profissionais. Essas regras podem incluir inclusive, horário flexível, devido as dificuldades de mobilidade e tratamentos médicos.

Essas são situações que devem ser estudadas com antecedências, para evitar possíveis constrangimentos desses profissionais no espaço de trabalho, ao solicitar tais benefícios.

5 – Gestão humanizada

Por fim, mas não menos importante, a gestão humanizada é uma necessidade que vai além da contratação de PCD. Mas no caso dessas contratações, devem ser alvo de investimento por parte do RH e da alta liderança.

Preparar a liderança para fazer uma gestão de pessoas humanizada faz toda a diferença no desempenho desses colaboradores. Líderes inspiradores são uma parte relevante do desempenho excelente de sua equipe.

Atenção ao desligamento!

Apesar dos benefícios da contratação de colaboradores PCD, é possível que ocorra o desligamento desse profissional tanto por parte da empresa, como por solicitação do próprio colaborador.

No entanto, é preciso que a empresa esteja atenta as regras de desligamentos desses profissionais, que foram contratados por força da legislação.

O artigo 93, da Lei 8.213/91 deixa claro que o desligamento do colaborador com deficiência só poderá ocorrer após a contratação de outro PCD em condição semelhante e para o mesmo cargo.

Portanto, esteja atento não só as adaptações de contratação, mas também as regras para o desligamento.

Conclusão

Apesar da legislação brasileira prever a contratação obrigatória de PCD para empresas com mais de 100 funcionários. A presença desses profissionais no mercado de trabalho ainda é muito pequena.

Além das dificuldades de entender como funcionam as regras de contratação, o setor de recursos humanos precisa aprimorar a divulgação de vagas e os processos de seleção, para torná-los mais inclusivos.

Além disso, diversidade e inclusão precisam ser pautas de discussão e ação dentro das organizações, no sentido de sensibilizar lideranças e profissionais para as vantagens da contratação de PCD.

Em resumo, apesar de assegurada por lei, essa contratação depende muito mais da vontade da empresa em se tornar socialmente responsável e desenvolver uma gestão de pessoas mais estratégica e humanizada.

No entanto, seguindo as dicas que trouxemos aqui, é possível transformar a cultura da sua empresa e promover a diversidade dentro do espaço empresarial.

Sendo assim, que tal começar a montar um funil de recrutamento adaptado às mudanças que citamos aqui? Quer saber como? Então entra em contato com a nossa equipe e conheça a SER HCM: uma solução em gestão estratégica de pessoas, totalmente customizada as necessidades do seu RH.

E se você gostou desse artigo e quer ficar por dentro de todas as novidades do mercado em gestão de pessoas, aproveite para assinar nossa newsletter e receber em primeira mão todos os nossos artigos.

Compartilhar este Artigo

Deixar um comentário

Ir ao Topo